Emidio Pepe

Voltar

Uma verdadeira lenda do mundo do vinho, Emidio Pepe fez sua primeira safra em 1964 seguindo métodos fortemente tradicionais. Agora em sua 56ª safra, ele e as próximas duas gerações de sua família continuam a trabalhar da mesma forma.

Na época, quando ninguém consideraria Montepulciano d’Abruzzo mais do que um vinho de mesa simples, Emidio Pepe, aos 30 anos e sem qualquer formação formal em vinificação ou viticultura, acreditava que essa variedade de uva seria perfeita para fazer vinhos finos e dignos de serem envelhecidos.

Dotado de um aguçado senso de negócios, Pepe acreditava que focar exclusivamente em fazer vinhos de alta qualidade, cultivados e engarrafados em sua propriedade, em vez de vender as uvas como parte de uma atividade agrícola mista, como seu avô e seu pai haviam feito antes dele, era o caminho do futuro.

Nessa época, as autoridades da região de Abruzzo promoveram ativamente Montepulciano como um vinho que precisava ser bebido jovem e encorajava rendimentos altíssimos de suas vinhas. Isso enfureceu Pepe e desde o dia em que assumiu a propriedade de seu pai, ele fez o seu Montepulciano para ser envelhecido e com um preço tão alto que seu Riserva foi o segundo mais caro da Itália vindo após o Brunello di Montalcino de Biondi Santi.

A adega de envelhecimento em garrafa de Emidio Pepe, com capacidade para 350.000 arrafas, de várias safras. Ele foi um dos primeiros na Itália a construir uma adega para envelhecer seus vinhos por longos períodos em garrafas antes do lançamento.

Um dos fatores que atrai os colecionadores dos vinhos de Emidio Pepe é que quase toda safra ainda se encontra disponível para venda com o bônus adicionado (e valor) de ter envelhecido na propriedade em si.

A política de envelhecimento e preços de Pepe era mais do que apenas tentar deixar claro que Montepulciano (e sua contraparte branca Trebbiano d’Abruzzo) foram lamentavelmente subvalorizados. Desde o início, este autodidata queria impulsionar esses dois vinhos aos mais altos escalões do mundo do vinho.

Com 55 safras em seu currículo, feito que poucos produtores na Itália podem igualar, Pepe nunca mudou sua maneira de trabalhar.

Os cachos de Montepulciano são gentilmente passados através de uma malha. As uvas desengaçadas e esmagadas caem em um recipiente que, uma vez cheio, é esvaziado nos tanques de concreto, alguns dos quais já instalados na década de 1960.

Segue-se a fermentação espontânea e o vinho permanece em contato com a casca por 8 a 10 dias ou quando há apenas 6g/l de açúcar residual restante, após o qual é extraído e volta para os tanques de concreto para envelhecer por pelo menos mais dois anos.

Os vinhos são então envelhecidos em garrafa por anos. Seu Riserva, chamado Selezione Vecchie Vigne, recebe uma final trasfega por decantação de cada garrafa à mão para separar o vinho do depósito que lançou ao longo dos anos durante o envelhecimento.

Cada garrafa individual é então completada com vinho da mesma safra. Para cada caixa de 12, eles precisam de duas garrafas extras apenas para completar, sacrificando mais de 16% de todo o volume da produção nesse processo.

A maioria dos produtores na Italia, incluindo as cooperativas, usavam o carvalho para acelerar o envelhecimento dos vinhos, permitindo fossem liberados para o consumo mais cedo. Na contra mão dessas práticas, com o uso de tanques de concreto, a vinificação de Pepe, sendo anaeróbica e redutora, permite que seu Montepulciano e seu Trebbiano possam envelhecer durante muitos anos em garrafa.

O vidro, na forma de concreto revestido e garrafas, são para Pepe o que o carvalho é para outros produtores no envelhecimento de seus vinhos. ‘Não filtramos, é tudo natural com assentamento nos tanques’, explica Chiara, neta de Pepe.

A filtração antes do engarrafamento consumiria muita energia do vinho, e de acordo com Pepe: ‘O envelhecimento é a forma de maior respeito pelo vinho, permite que exprima a sua verdadeira essência, porque se o provar jovem, você só vê o músculo e os taninos, mas com o tempo você obtém o refinamento e a finesse, que é a essência de Montepulciano’.

Pepe trata seu Trebbiano e Pecorino com uma abordagem séria e semelhante. Todos os brancos são esmagados com os pés, cachos e tudo. Imediatamente após a fermentação alcoólica, o vinho é engarrafado. Assim a malolática acontece na garrafa.

A fonte dos excepcionais vinhos Pepe são, naturalmente, os vinhedos, dos quais mais de dois terços são conduzidos por pérgulas ou “tendone”, como é chamada em Abruzzo.

Alguns deles têm agora mais de 40 anos, uma fonte preciosa de material vegetal antigo usados para seleção em massa, e sempre foram cultivados sem irrigação, exceto para os mais velhos.

Tendo como pano de fundo as montanhas Gran Sasso com o pico de o “Corno Grande”, a 2.600 m (8.530 pés) o mais alto dos Apeninos, os vinhedos são equidistantes da costa e das montanhas, garantindo constante brisas do Adriático e correntes de ar frio do Gran Sasso.

Plantado em uma densidade surpreendentemente baixa de 900 videiras / ha, mas com apenas cinco cachos por videira, que fornecem modestos 40 hl por ha.

Os solos aqui consistem em uma camada superior de 40 cm de argila com calcário por baixo, em que as raízes da videira cavaram profundamente, até 6–7 m. Desde o início, a propriedade foi cultivada organicamente e foi certificada na década de 1990.

Em 2005, a pedido da tia de Chiara, Sofia, eles fizeram suas primeiras incursões na biodinâmica, sobre o que Pepe foi inicialmente cético.

Uma vez que eles começaram a usar o método biodinâmico preparações em 2005, eles notaram, como tantos outros, PHs mais baixos e mais alta acidez nos vinhos.

Com enorme tato, Sofia fabrica vinhos ao lado de Pepe há mais de 20 anos, acompanhando-o na adega enquanto, aos poucos, conquistando o papel de enólogo sob o olhar severo de seu pai. Tentando aderir à sua forma tradicional de trabalhar, tanto quanto possível e ao mesmo tempo, traçar suavemente um caminho para o futuro é claramente um difícil ato de equilíbrio.

Aos 87 anos, Pepe ainda está ativamente envolvido na propriedade, enquanto suas duas filhas e agora sua neta assumem a liderança.

Sua neta Chiara seguindo os passos de sua tia e mãe, assumiu o papel de comercializar os vinhos de seu avô, ela estudou economia na França, assim como viticultura e vinificação em Dijon e Beaune.

X
Tudo certo

Vinho Adicionado ao carrinho

Ver Carrinho
Continuar Comprando