Champagne Tarlant

Voltar

Em 1687, Pierre Tarlant começou a cultivar seus primeiros vinhedos em Aisne. A família permaneceu lá por quase 100 anos antes de se mudar para a vila de Oeuilly em 1780. Na virada do século 20, Louis Tarlant assumiu como vigneron chefe. Sua gestão provou ser fundamental para moldar o legado da família, principalmente devido ao seu envolvimento como prefeito de Oeuilly na raramente discutida e tumultuosa Revolução de Champagne.

No início do século XX, tornou-se cada vez mais comum que as grandes casas de champanhe, que mesmo então detinham uma forte influência na comercialização, trouxessem uvas de toda a França e até de diferentes países (sendo o mais longínquo Portugal) para vinificar e vender o vinho como champanhe. Quando isso se tornou de conhecimento comum entre os produtores da região, muitos ficaram furiosos com o fato de tais práticas estarem acontecendo bem debaixo de seus narizes. Por meio de uma organização rigorosa, muitas aldeias conseguiram bloquear as entradas de uvas externas, bem como se organizaram habilmente para codificar a região de Champagne. Como resultado, Louis ajudou a alcançar o reconhecimento mundial da AOC em 1911 e contribuiu para o estabelecimento da região de Champagne AOC em 1927.

No rescaldo desses eventos, Louis jurou nunca mais vender uma única uva para as grandes casas novamente, tornando Tarlant uma das primeiras propriedades independentes na região (menos de 10 existiam na época). Avançando para os dias de hoje, o vigneron-chefe Benoît Tarlant é a 12ª geração que trabalha na terra com seu sobrenome. Benoît é o verdadeiro negócio: sua grande compreensão e respeito pela história, tradição e natureza, juntamente com suas tendências experimentais e de pensamento inovador, têm sido a força motriz de alguns champanhes verdadeiramente centrados no terroir. Com sua irmã Mélanie ingressando na empresa familiar em 2003, as coisas são mais do que nunca um assunto de família.

A propriedade consiste em 14 hectares de vinhas em 31 lieu-dits de Pinot Noir (50%), Chardonnay (30%) e Pinot Meunier (20%), junto com pequenas quantidades das “uvas” esquecidas “de Champagne – Pinot Blanc, Arbane e Petit Meslier. A partir da observação empírica, Benoît e Mélanie selecionaram 63 parcelas que vinificam individualmente a cada safra, permitindo uma precisão incomparável nas decisões de blend para vinhos de base e reserva, mas também permitindo que eles realcem as expressões de vinhedo único de suas terras.

Nas vinhas, os produtos químicos nunca são usados e a biodiversidade é priorizada. Por causa dos terroirs extremamente diversos do Marne, Benoit adapta sua abordagem vitícola parcela por parcela, usando o solo, a uva e o microclima para guiá-lo. Embora apenas os tratamentos de contato tenham sido usados nas últimas duas gerações, Benoît e Mélanie decidiram trabalhar para a certificação orgânica.

Na adega, as uvas são suavemente prensadas e transferidas por gravidade para barricas da Borgonha, onde cada parcela fermenta e envelhece individualmente. A fermentação malolatica quase nunca ocorre, mas não é bloqueada: Benoît sente que através da prensagem cuidadosa, atenção à temperatura e as práticas vitícolas corretas, o clima naturalmente frio de Champagne lhes dá uvas com baixo PH e alta acidez, uma combinação que não incita a malolatica. Os sulfitos são adicionados apenas em doses microscópicas na prensa e de forma intermitente nos barris de vinho de reserva. Os vinhos nunca são filtrados.

A grande particularidade dos Champagnes Tarlant, tradição iniciada pelo pai de Benoît, Jean-Mary, no final dos anos 1970, é que a grande maioria da produção (90%) é engarrafada sem dosagem. Embora a ideia do Brut Nature Champagne tenha lenta, mas seguramente ganhado impulso desde o início dos anos 2000, isso era inédito na época. Ainda assim, Jean-Mary se manteve firme e com o tempo isso definiu o estilo Tarlant. Assim, as cuvées do nível de entrada da casa são chamadas de “Zero”. Representando 70% da produção total, “Zero” é o cartão de visitas do Tarlant e consiste em um vinho não vintage, sem dosagem feito em partes iguais de Pinot Noir, Meunier e Chardonnay. “Zero Rosé” é uma maioria de Chardonnay com um pouco de Pinot Noir para a cor.

As Zero são um reflexo das quatro aldeias em que trabalham e o objetivo é expressar um champanhe sem o açúcar externo mascarar as características do terroir, para conseguir isso, Benoît e Mélanie degustam rigorosamente cada microvinificação escolhendo o que servirá de base para os vinhos, com o conhecimento inato de que serão lançados cinco a sete anos mais tarde. Estes serão envelhecidos até a primavera após a colheita, em seguida, misturados com os vinhos de reserva antes de um longo período sur lattes. As vinificações restantes são misturadas em barricas de reserva para uso futuro.

“Não compramos nem vendemos uvas. Temos que trabalhar as nossas vinhas o melhor que pudermos para ter o melhor vinho. ”

X
Tudo certo

Vinho Adicionado ao carrinho

Ver Carrinho
Continuar Comprando